sexta-feira, 30 de março de 2012

Livrinho - Via Sacra para as Crianças

Boa Tarde Pessoal!

    Já estamos às vésperas da Semana Santa e gostaria de apresentá-los à este livrinho, confeccionado pela Cláudia do blog Catequese na Net... Ele é lindo e os catequizando sem empenham bastante para confeccioná-lo e rezá-lo depois...
     Espero que gostem... a Claudinha é uma artista!!!

    Beijos,
    Layse




























Jesus Morre na Cruz (Sexta-feira Santa) - Planejamento do Encontro

Preparando o Ambiente: No centro da sala, coloque uma mesa com uma toalha vermelha. Sobre ela, ponha um crucifixo (de preferência de madeira) e uma coroa feita de galho seco.

Oração Inicial:

Convide os catequizandos a ficarem de joelhos em sinal de humildade e adoração diante da cruz do Senhor. Faça uma breve memória do sofrimento de Cristo com o Salmo 2, a oração sobre o justo perseguido. Jesus foi crucificado e morto na cruz porque era justo. Recomenda-se salmodiar alguns versos do Salmo 2 e, após um minuto de silêncio, rezar:

Catequista: Ó Deus, pela vossa graça, nos fizestes filhos da luz. Concedei que não sejamos envolvidos pelas trevas do erro, mas brilhe, em nossas vidas, a luz da vossa verdade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho que morreu na Cruz por todos nós, na unidade do Espírito Santo.
Catequizandos: Amém!

O Catequista oferece o crucifixo para cada criança beijá-lo.

Colocação do Tema (julgar)

Leitura Bíblica: Mc 15, 1 - 39 - Paixão de Cristo.

Aprofundamento do Tema

     Com o Batismo de Jesus no Jordão tem início sua missão conforme Is 61,1-2: "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque o Senhor me ungiu; enviou-me a anunciar a boa-nova aos pobre, a curar os quebrantados de coração e proclamar a liberdade dos cativos, a libertação dos que estão presos, a proclamar um ano aceitável ao Senhor".
     O cumprimento desta missão custou-lhe a vida. O poder, a ganância e a vaidade cegam a humanidade. Jesus não hesitou em defender os oprimidos. Condenava o poder e a riqueza construídos à custa da opressão, assim como as desigualdades sociais, as discriminações, as leis injustas que favoreciam apenas uma pequena parcela da sociedade. Não aceitou a hipocrisia e o uso da religião em proveito próprio. Anunciou o Reino de justiça, amor e paz, pois todos são iguais perante Deus e com os mesmo deveres e direitos.
     Ao longo de sua vida missionário, a pregação de Jesus quebrou estruturas para restituir a dignidade dos filhos de Deus: O ladrão vem só para roubar, matar e destruir. Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância (Jo 10,10). Perdoou os pecadores e curou os doentes numa sociedade em que as pessoas que sofriam eram discriminadas e excluídas por serem consideradas pecadoras.
     Para Jesus, as observâncias religiosas deviam ajudar o ser humano e não escravizá-lo, por isso curava no sábado (considerado dia sagrado para os judeus). E afirmou: O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado (Mc 2,27). Era um mestre diferente daqueles do seu tempo, porque admitiu mulheres como suas discípulas e ensinou a humildade e o serviço, por isso lavou os pés dos seus apóstolos e recomendou que o fizessem aos outros (Jo 13,14-15).
      Tais atitudes geravam confronto com a sociedade da época. As incompreensões dos dirigentes e das autoridades religiosas insuflaram o povo a querer a morte de Cristo. Jesus, filho de Deus, chamava o Pai de Abba. Por se considerar filho de Deus, foi tido como blasfemo. Após ser traído, foi entregue aos tribunais do Império e do Sinédrio. A Eucaristia, que agora celebramos, renova a aliança selada com seu sangue e nos torna participantes da força salvadora de sua morte. "Esta noite em que Cristo, nossa Páscoa, foi imolado, porque ele é o verdadeiro cordeiro que tirou o pecado do mundo" (Prefácio da Vigília Pascal)

Celebração

   De forma dialogada, proclame a Paixão de Cristo. Escolha três catequizandos: um para atuar como narrador e os outros para serem Jesus e Pilatos. O catequizando que representará Jesus deve usar um pano vermelho, como manto, e Pilatos, um pano amarelo ou dourado. Os demais catequizandos fazem o coro ( povo). Eles devem ficar agrupados atrás de Jesus, que estará de frente para Pilatos. Use o texto do Evangelho (mais breve) do Domingo de Ramos do ano B, Mc 15,1-39, Lecionário Dominical.

Oração Final

Fonte: Iniciação à Eucaristia. Núcleo de Catequese Paulinas - NUCAP. Ed Paulinas.

domingo, 25 de março de 2012

Jesus Celebra a Páscoa (Quinta-feira Santa) - Planejamento do encontro

Ambiente do Encontro: Providencie jarra, bacia e toalhas para o lava-pés. Previamente, combine com alguns catequizandos que terão seus pés lavados e que lavarão os pés do colega.

Oração Inicial:

Todos permanecem de pé e em silêncio. O leitor 1 e o leitor 2 fazem a parte de Jesus, ou seja, proclamam o Evangelho (Lc 22, 7-13 - Preparativos para a ceia pascal)

Leitor 1: Jesus celebrou a Páscoa. Memorial da libertação em que os judeus foram libertos da escravidão do faraó e atravessaram o mar a pé enxuto. O sangue do cordeiro sacrificado foi utilizado para marcar as portas das casas dos judeus, e assim, afastou a ira do anjo exterminador; também o sangue do cordeiro imolado selou a aliança que Moisés estabeleceu com Deus em nome do povo eleito.
Leitor 2: Jesus dá um novo significado para a Páscoa. Ele é o cordeiro que tira o pecado do mundo, que sela uma nova aliança entre Deus e a humanindade com seus braços abertos na cruz.
Todos: Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, tende piedade de nós (bis).
            Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, dai-nos a paz.

Colocação do Tema

Leitura Bíblica: 1 Cor 11,23-26 - A Ceia do Senhor. Retome a celebração da Páscoa antiga e explique que Jesus a celebra e lhe dá um novo significado. Situe a morte de Cristo no contexto pascal, em que sua vida nos é dada para a salvação da humanidade. É o memorial do seu amor levado às últimas consequências, por isso, é igualmente sinal de amor, doação e ajuda ao outro, até o ponto de se humilhar lavando os pés dos discípulos.

Aprofundamento do Tema

            Jesus, seguindo o costume de seus irmãos judeus, todos os anos celebrava a Páscoacomo memória dos acontecimentos do Êxodo, em que se deu a fuga da escravidão do Egito. A celebração ritual da Páscoa judaica é substituída pela Eucaristia: Fazei isso em memória de mim. Essa é a celebração sacramental nova, memorial do novo Êxodo pascal de Cristo.
            Jesus celebrou a Páscoa com um novo sentido. Ele tomou os elementos da Páscoa e aplicou-os a si mesmo. Isso aconteceu às vésperas de ser entregue e condenado à morte. Antecipadamente, ele celebrou em forma de ceia pascal o que iria acontecer no calvário no dia seguinte.
          Nessa ceia se bendisse a Deus sobre o pão sem fermento que era partido e distribuído. Jesus viu nesse gesto o sacrifício do seu corpo imolado na cruz e dado como alimento. Nela, tomava-se vinho e comia-se o carneiro sacrificado, cujo sangue selou a primeira aliança entre Deus e o povo, além de ter poupado da morte os primogênitos.Jesus é o novo cordeiro que tira o pecado do mundo, seu sangue redentor derramado na cruz perdoa todo pecado.  
        Sua morte é Páscoa, mostra a intervenção do Pai que salva a humanidade pelo amor do seu Filho levado às últimas consequências. Jesus, o Filho de Deus encarnado, entende a sua vida e a sua missão como serviço de amor à humanidade. Ele se doa e a sua missão como serviço de amor à humanidade. Ele se doa inteiramente. Essa doação é a concretização do seu amor. Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim (Jo 13,1).

Agir transformador:

           Páscoa é a passagem da morte para a vida. Significa morrer para o comodismo, a preguiça e a mentira, doando a própria vida, como Jesus. Assim, vamos nos esforçar para sermos mais solidários com os colegas, ter espírito, vontade e atitudes de colaboração e serviço. Nossos pais trabalham muito para que não nos falte o necessários em casa. E nós, em que contribuímos? Jesus vai adiante de nós e doa toda a sua vida.
            Anualmente, na Quinta-feira Santa, a Igreja celebra a missa da ceia do Senhor na qual comemoramos Jesus que nos entrega o mandamento e o sacramento do amor.

Celebração ( Rito do Lava-Pés)

Comentarista: Cristo mostra a relação que existe entre dar a vida na cruz e o serviço humilde de lavar os pés. É um gesto através do qual o Senhor deseja fazer compreender o sentido profundo da sua missão redentora: um serviço de amor a Deus e ao ser humano, que tem seu ponto alto na paixão e na morte. Assim, também o pão e o vinho partilhados são sacramentos de seu corpo entregue e do seu sangue derramado como serviço derramado como serviço de amor e de solidariedade.

           Fazer a leitura do Evangelho Jo 13, 1-17. O Leitor 1 faz a parte de Pedro e o Leitor 2 faz a parte de Jesus. O Catequista explica o valor do gesto de Jesus, que, como mestre e Senhor, lavou os pés dos apóstolos e pede que o imitemos.

          O comentarista dá sequência ao lava-pés com aqueles que foram previamente orientados e preparados. Todos cantam ou pode-se colocar um fundo musical apropriado.

Leitor 1 ( o primeiro a lavar o pé) diz: O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos (Mt 20,28).
Leitor 2 ( o segundo a lavar o pé) diz: Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos e o servidor de todos (Mc 9,35).
Leitor 3 (o terceiro a lavar o pé) diz: Vós sois os meus amigos, se praticais o que vos mando. Isto vos mando: amai-vos uns aos outros (Jo 15,14.17).

Cantar algum canto com a temática do encontro.

Oração Final: Pai- Nosso

Fonte: Iniciação à Eucaristia - Livro do Catequista. Núcleo de Catequese Paulinas - Nucap. Ed. Paulinas.


quarta-feira, 21 de março de 2012

Dicas para você contar histórias 3 - Como contar uma história a um grupo

      Crianças da catequese ou da escola, professores, catequitas, uma assembléia na Igreja, uma platéia de auditório, enfim para todas as pessoas que estejam de coração aberto e se disponham a ouvir uma história.

"Enfeitar" a história com:

   - onomatopéias: por exemplo, "toc, toc" na porta, "tique-taque" do relógio, etc.
   - ruídos: vento, trovoada, enchente, etc.;
   - pausas maiores ou menores;
   - movimentos de mãos, olhos, corpo.

Providenciar material adequado: 

  - álbum seriado                               - livros ilustrados
  - cartazes                                         - quadros de pregas
  - cineminha                                     - transparências para retroprojetor
  - desenhos no quadro-negro            - fantoches
  - figuras para flanelógrafo

        O teatro de fantoches é um dos recursos mais antigos e ricos de expressão artística. Há milênios, tanto no Oriente quanto no Ocidente, crianças e adultos têm utilizado esse recurso na literatura, na música, na expressão corporal, nas artes plásticas.
        Construir e manipular fantoches são atividades que proporcionam descontração e prazer, além de serem fatores de integração no grupo. Na catequese eles podem ser usados ´para desenvolver habilidades e conhecimentos. A criação de um personagem é algo "mágico", afinal o fantoche ganha vida própria a partir do momento em que adquire movimentos, voz, emoção.
        Para a catequese é um ótimo recurso pedagógico, pois a mensagem comunicadas pelos fantoches atraem a atenção das crianças de forma dinâmica e prazerosa.

Motivar o auditório

       Quando você estiver diante de um auditório, a história deixa de ser sua e passa a ser de todos. É uma experiência semelhante a ir ao cinema: é como se as pessoas estivessem dentro do cenário, como num filme, vivendo, com o personagem, cada momento do texto. Quanto isso acontece, o auditório torna-se co-responsável pela narrativa, o que é muito bom, porque o sucesso de uma apresentação não depende só de quem conta a história.
       Está comprovado que as pessoas aprendem melhor quando interagem do que quando simplesmente vêem e ouvem. Com as histórias acontecem o mesmo: quando você participa do processo, sente-se introduzido pela narrativa, ela terá algo que lhe pertence, que é seu, que tem significado para você.

Como motivar a platéia para participação

        Antes de iniciar a narrativa, peça às pessoas que ajudem a contar a história escolhida. Organize o grupo em subgrupos, de acordo com os personagens que compõe a história ou com os momentos nos quais a interação será necessária. Isso você deve definir antes, quando fizer a leitura silenciosa do texto. Pode-se fazer um ensaio geral, para descontrair e permitir que as pessoas compreendam o que vai acontecer e saibam a hora de interagir.

Exemplo: Ao narrar a passagem bíblica " A tempestade acalmada", você pode motivar a platéia para reproduzir a ventania, pedindo que imite a onda com as mãos para frente e diga "Vuuuull!Vuuulll!"

Servir-se de objetos e técnicas interativas

        De acordo com a criatividade de cada contador, pode-se distribuir fitas de papel para fazer movimentos, folhas para que durante a história façam dobraduras, lenços, flores, confete, balões, bolhas de sabão etc. Não esqueça que é sempre necessário combinar um sinal com os participantes, antes do início da história, para que todos tenham conhecimento do que será feito.

* Trecho extraído do livro: Bellini, Rogério. Dinâmicas para contar histórias. Editora Paulinas.

Forte abraço,
Layse





  

terça-feira, 20 de março de 2012

Dicas para você contar histórias 2 - Atitudes e Técnicas para o sucesso da história

   Boa Tarde Pessoal,

       Continuando o post anterior sobre dicas para se contar histórias...


Atitudes e Técnicas para o sucesso da história

Gostar da História

     Tudo que se faz com prazer tem bom resultado. Dentro do seu grupo de catequistas, é necessário identificar quem aprecia determinado gênero de narrativa.Umas pessoas gostam de contar histórias de animais, outras preferem contar histórias de fadas, de personagens humanas etc. É preciso escolher a pessoa que melhor se identifique com o clima e o gênero de narrativa, para que ela comunique a mensagem com mais vivacidade.

Estudar a história

Silenciosamente

    Se você vai contar uma história, faça antes uma leitura silenciosa, e aproveite para conhecer os personagens e colocar a imaginação para fora: Como seria a voz deste e daquele personagem? Qual a música que melhor representaria esse lugar? Que sons tem o contexto em que acontece a cena? Depois, pergunte-se em que momentos os participantes poderão interagir com a narrativa. Em seguida, crie movimentos e sons para que eles possam imitar, como se fizessem parte do texto.

   Vontemos à narrativa da entrada de Jesus em Jerusalém.
   
   Os catequizandos poderão interagir, imitando o som de um jumentinho. A um sinal estabelecido, o grupo poderá dizer: É Jesus! Há dois momentos da história em que a multidão grita forte o nome do Senhor. As crianças poderão aclamar: "É Jesus!" e, em seguida, o contador pode completar: "o profeta de Nazaré da Galiléia" e depois " o nosso Deus Salvador".
 
   Ao contar essa história pode-se providenciar ramos para que as crianças representem o momento em que a multidão os espalhou pelo caminho onde Jesus ia passando.

Oralmente

   Após a leitura silenciosa, volte a ler o texto em voz alta. Essa é a hora em que você constrói o "contar", talvez seja o momento mais importante. O conteúdo, que já se encontra na mente, é exteriorizado, com liberdade e criatividade, colocando em ação todos os seus dons e talentos para comunicar. Sua voz dá vida à história, o ritmo da narrativa é marcado pela entonação, pelas pausas que você faz. enfim por todo potencia de som com o qual você possa presentear o texto.

Em frente ao espelho

    O espelho é um excelente juiz, nele você vê a imagem que a platéia terá de sua apresentação. Ao contar histórias em frente ao espelho, será mais fácil corrigir gesticulações desnecessárias, ter uma postura adequada e criar expressões faciais conforme pedem cada personagem. Esse exercício é muito importante também para o autoconhecimento e a auto-estima. Quando nos sentimos bem, tornamo-nos mais seguros de nossa capacidade e podemos enfrentar qualquer desafio!



* Trecho extraído do livro: Bellini, Rogério. Dinâmicas para contar histórias. Editora Paulinas.

Forte abraço,
Layse

segunda-feira, 19 de março de 2012

Dicas para você contar histórias 1 - Elementos essenciais de uma história

Olá Pessoal! Como estão?

    Esta semana postarei algumas dicas para auxiliá-los a interagir com as crianças e/ou adolescentes através das histórias.
    Contar uma história não é algo simples... Não se pode contar uma história de qualquer jeito. Para se prender a atenção dos espectadores e fazer com que eles compreendam e tirem uma lição ou experiência da história torna-se necessário obter algumas habilidades...
     Então para ajudá-los no processo de contagem de histórias, postarei aqui trechos do livro "Dinâmicas para Contar Histórias" do Rogério Bellini, Editora Paulinas.

     Vamos nos preparar? "Se aí que lá vem a história..."

1 - Elementos essenciais de uma história

Introdução

    É formada pelo bloco inicial da história, ou seja, parte preparatória que tem por objetivo: localizar o enredo da história no tempo e no espaço; apresentar os principais personagens da história e caracterizá-los.

   Exemplo: " Entrada de Jesus em Jerusalém" (Mt 21,1-11)

     No tempo em que Jesus caminhava em Israel, aproximou-se, com seus discípulos, de Jerusalém, a capital do país. Vinham de Jericó, onde havia curado dois cegos que estavam sentados à beira do caminho.

Enredo

    É a sucessão de episódios que constituem a história, os conflitos que surgem e a ação dos personagens. É o corpo da narrativa e apresenta uma sequência ordenada, de modo a orientar o ouvinte e facilitar a tarefa do narrador. O enredo é parte essencial da narrativa.

     Antes de entrar na cidade, Jesus enviou dois de seus discípulos, dizendo-lhes: "Vão à aldeia que está adiante. Vocês encontrarão uma jumenta amarrada e, com ela, um jumentinho.Desamarrem os animais e tragam aqui. Se alguém perguntar qualquer coisa, dizendo que o Senhor precisa deles e sem demora os devolverá".

Ponto Culminante

     É quanto o enredo da história atinge o máximo de intensidade. Uma boa narrativa, com enredo bem imaginado, deve apresentar pontos de "suspense", isto é, fatos emocionantes.

     Os discípulos foram e fizeram o que Jesus mandou: trouxeram a jumenta e o jumentinho, puseram seus mantos em cima e fizeram Jesus montar. A multidão estendia os mantos pelos caminhos, cortava ramos de árvores e os espalhava pela estrada. E todos os que andavam a frente de Jesus e os que seguiam atrás, aclamavam: "Hosana ao Filho de Davi!".
     Quando Jesus entrou em Jerusalém, toda a cidade ficou alvoroçada, perguntando: "Quem é este homem?". A multidão respondia: É Jesus, o profeta de Nazaré da Galiléia!".

Desfecho

     O desenlace final da história, isto é, a conclusão dos fatos nela apresentados, chama-se desfecho. Nos contos tradicionais é uma frase conclusiva, que deve ser curta e satisfatória. O conto de fadas e as histórias da carochinha, que são clássicas, terminam em geral assim: "Casaram-se e viveram felizes para sempre!" Nas histórias bíblicas o desfecho é uma conclusão que pode estar no próprio texto ou que é interpretada por quem conta a história, como esta:

     A multidão reconheceu e acolheu Jesus em sua entrada em Jerusalém. Mal sabia ela, que aquele homem iria sofrer e morrer, condenado pelo próprio povo, mas que iria ressuscitar para ser, finalmente, aclamado por toda a Terra e pelos Céus, por toda a eternidade!
     É Jesus, nosso Deus Salvador!
     Foi assim que Mateus escreveu.


Um forte abraço,
Layse



sexta-feira, 16 de março de 2012

Como ensinar sobre objetos litúrgicos - Fichas

Olá Pessoal! Como está a sexta-feira?

    Com o início das atividades catequéticas, nosso pároco Pe. Willames, sempre nos pede para trabalharmos com os catequizandos sobre a liturgia, principalmente as partes da Missa e os objetos litúrgicos. Procurando uma atividade diferente para ensinar os objetos litúrgicos, encontrei no blog da Xhonane Olivas ( Família Católica ) uma forma muito interessante de ensinar, que é através de fichas com a gravura dos objetos, o nome e a sua definição. Como o blog é em espanhol, criei as fichinhas em português para que vocês possam imprimir, recortar e colar em um papel durinho.

Confira a postagem original em: http://familiacatolica-org.blogspot.com/2010/04/objetos-liturgicos-para-la-santa-misa.html






Passos para a montagem:

1 - Imprimir, recortar e colar as fichas em uma cartolina ou papel cartão (pode ser outro papel durinho).
2- Separar as imagens dos seus nomes e definições.
3- Misturar tudo.
4 - Pedir para que o catequizando monte a sequência correta com o nome do objeto e suas respectivas definições e gravura.






segunda-feira, 12 de março de 2012

Duas sugestões de Teatro para a Campanha da Fraternidade 2012

Olá Pessoal!

     Visitando os blogs amigos encontrei duas peças de teatro (sendo uma com fantoches) que tratam da Campanha da Fraternidade 2012 de modo interessante, atrativo e simples. Uma das peças encontrei no blog Jardim da Boa Nova da Késia Lima e o outro no blog Catequese Casa Forte da Tereza Diniz...

     Parabéns Meninas pela bela ideia!!! Acredito no teatro como umas das formas eficazes de evagelização!

Layse


Peça: O Bom Samaritano no Posto de Saúde (http://www.jardimdaboanova.com.br/2012/03/peca-o-bom-samaritano-no-posto-de-saude.html)

Personagens: Narrador, 1 morador de rua, 1 médico, 1 atendente, 1 idoso e várias pessoas doentes na fila do posto de saúde.

Roteiro

Narrador – A vida de um morador de rua não é nada fácil, principalmente quando ele fica doente. Conheça agora a história de "Fulano", um jovem rapaz que não tinha onde morar e dependia da caridade dos outros para sobreviver.
(Neste momento, o morador de rua entra todo sujo e com roupas rasgadas, e caminha entre as pessoas, pedindo ajuda)

Narrador – Um dia, fulano (o morador de rua) ficou muito doente e, como vivia sozinho, resolveu dormir na porta do posto de saúde pra tentar marcar uma consulta. (O morador de rua se aproxima do posto de saúde e se deita sobre um papelão)

Narrador – Aos poucos, outras pessoas foram chegando para marcar consulta também. (Os catequistas vão se aproximando aos poucos)

Pessoa na fila 1 – Isso é um absurdo! A gente precisa dormir nesse lugar pra conseguir marcar uma consulta! Você vai marcar consulta pra quem? (Conversa com outra pessoa que está na fila também)

Pessoa na fila 2 – Eu? Pra ninguém! Como eu não tinha nada pra fazer em casa, vim dormir aqui pra ganhar um trocadinho. Quem quiser um bom lugar na fila, eu vendo o meu.

(Enquanto eles conversam, outras pessoas vão chegando e ficando na fila)

Pessoa na fila 3 Por favor, você pode guardar meu lugar? Eu vou bem ali e já volto. (Essa pessoa sai e só aparece pela manhã)

(Enquanto isso, as pessoas que estão na fila continuam conversando espontaneamente)

Pessoa na fila 1 É um absurdo deixarem esse rapaz dormindo aqui. Já não tem nenhum vigia, às vezes é um ladrão e ninguém sabe...

Pessoa na fila 2 – Ele que não “se meta a besta” de mexer comigo, porque eu chamo é o ronda pra ele.

Pessoa na fila 4 – O ronda? Coitado! Quando o ronda chegar, ele já tá rondando longe com seu dinheiro.

Pessoa na fila 5 – Dinheiro? E quem já viu pobre na fila do posto ter algum dinheiro?

(Quando amanhece, chega uma senhora e fica no final da fila. Enquanto isso, a pessoa que quer vender o seu lugar, passa oferecendo a sua vaga por R$ 10,00)

Narrador – Amanhece o dia e todos continuam a espera de uma consulta, sem saber se vai ter médico para atendê-los.

(Um dos médicos chega para o seu plantão e tropeça no rapaz deitado bem na porta do posto)

Médico – Ah meu Deus, não é possível uma coisa dessa! Essa hora da manhã já tem esse povo todo aqui. Ei rapaz, sai da frente que eu quero passar. Eu já não agüento mais, dois meses com o salário atrasado e tenho que atender essa gentinha. É por isso que eu só gosto de atender no meu consultório...

(Depois do médico, chega a pessoa que pediu pro outro guardar seu lugar e, em seguida, chega a atendente)

Atendente – Eu vou logo avisando que hoje só tem 3 fichas pro Clínico Geral.

(Nesse momento, uma pessoa se oferece pra comprar o lugar da pessoa que estava vendendo)

Pessoa na fila 5 – Senhor eu compro seu lugar. Tá aqui os R$ 10,00. Dez não meu filho, agora é R$ 20,00. Era R$ 10,00 na promoção, agora é R$ 20,00 na precisão.

(Enquanto isso, os outros começam a discutir na fila. A pessoa que estava guardando o lugar não quer deixar mais ninguém entrar na sua frente, etc. A atendente começa então a organizar a fila)

Atendente – Quem é o primeiro?

(O morador de rua então se levanta e diz:)

Morador de rua – Sou eu senhora!

Atendente – Cadê sua identidade?

Morador de rua – Tenho não senhora.

Atendente – Então você não pode se consultar. Vá tirar sua identidade e depois volte. Quem é o próximo? Esse povo pensa que aqui é a casa da mãe Joana, que qualquer um chega e é atendido. E vamos colocar ordem nessa fila aí, que eu tô vendo uma velha lá atrás e ela tem que ser a primeira da fila.

(Enquanto a idosa se aproxima, os outros começam a reclamar)

­– Essa velha chegou agora de manhã e vai marcar primeiro por quê? Ela não é mais bonita que a gente!

Atendente – Oh povo complicado! Vocês não sabem que “os velhos” tem prioridade?

(Quando a idosa chega ao início da fila e vê O morador de rua muito doente, ela diz:)

Idosa – Mais esse rapaz precisa mais de ajuda do que eu! Eu quero dar meu lugar pra ele.

Atendente – Acontece que ele não tem documento e eu não posso fazer a ficha dele. E a senhora já demorou demais, perdeu o seu lugar na fila. Próximo!

(A senhora, inconformada com a situação, se aproxima do rapaz)

Idosa – Venha meu filho, eu vou levar você pra minha casa e vou cuidar de você.

Enquanto a idosa sai com o rapaz, cantamos o hino da Campanha da Fraternidade.


Reflexão
A cena que acabamos de ver é comum onde você mora? Alguém já passou por isso? Apenas os médicos tem o dever de cuidar dos doentes? Como devemos agir diante de alguém que precisa de ajuda? Devemos agir como estas pessoas na fila, como o médico, a atendente ou como esta senhora? O que nós podemos fazer para cuidar melhor da nossa saúde e da saúde dos outros?

Após a reflexão, fazemos a entrada do cartaz da Campanha da Fraternidade e explicamos o cartaz.

Teatro – Campanha da Fraternidade (diálogo com Fantoches)
(http://catequesecasaforte.blogspot.com/2012/03/teatro-campanha-dafraternidade-dialogo.html)

“Em nome do Pai” –

Cantando “Vocês que estão voltando sejam bem vindos...”
“Sejam bem vindos Oh Lê Lê...”

MANDAR TODOS CANTAR

Presidente – Boa tarde!.... Mais forte.... BOA TARDE!
Estamos iniciando hoje nossos encontros de Catequese de 2012.
E aí? Passaram boas férias? Brincaram carnaval? Desfilaram?

Guida – Carnaval? Ouvi falar CAR-NA-VAL? “Olinda, quero cantar a ti esta canção...”

Neco – Está louca, Guida. A quarta-feira já passou há muito tempo.

Guida – Oh! Quarta-feira ingrata chega tão depressa.... só pra contrariar.

Neco – Coitada! O assunto hoje é outro, criatura. É tempo de pensar...

Guida – Pensar! Pensar em que?

Neco – Nas coisas erradas que fizemos. É tempo de penitência.

Guida – Penitência?

Neco – Sim. A igreja nos convida a tentar reparar o que fizemos de errado.

Guida – E é?

Neco – É sim, senhora. Nesta época a igreja faz uma campanha.

Guida – Campanha? De que? Lei seca? “Se beber não dirija, se for dirigir não beba”.

Neco – Não senhora. É a Campanha da Fraternidade.

Guida – Campanha da Fraternidade?

Neco – Sim. CAM-PA-NHA. Você sabe o que é, não é?

Guida – Acho que sei. É quando se faz um grande esforço para conseguir combater, ensinar alguma coisa. Chamar a atenção de todos.

Neco – Muito bem. Falou bonito. Palmas para ela! (espera as palmas) Repete, repete...

Guida – Campanha é quando se faz um grande esforço para conseguir combater, ensinar alguma coisa. Chamar a atenção de todos.

Neco – Isto aí. A igreja católica do Brasil na quarta-feira de cinzas lança a Campanha da Fraternidade.

Guida – Este ano é sobre o que?

Neco – “Fraternidade e saúde pública - Que a saúde se difunda (se espalhe) sobre a Terra”

Guida - Nossa! É coisa séria e importante.

Neco – Tia Vânia, pode falar alguma coisa sobre a C.F. 2012? Pode nos dar alguma ideia?

Presidente – Muito bem Neco e Guida! Vocês provaram que estão por dentro dos acontecimentos de nossa igreja. Qual é mesmo, crianças, a C.F. de 2012? “Fraternidade e Saúde pública – Que a saúde se difunda sobre a Terra”.

(Continuo falando com os catequisandos e deixo a dica para Neco e Guida entrarem perguntando)

Presidente -  Neco e Guida, o que vocês podem fazer para participarem da Campanha da Fraternidade?

Neco – Visitar um doente.

Guida – Pode ser um doente da família...

Neco – Um amigo, um conhecido... Consolar um amigo que sofre.

Guida – Se tiver possibilidades, doar remédios.

Neco – Dar alimentos a quem precisa.

Guida – Doar fraldas.

Neco – Ouvir, conversar com algum velhinho, eles gostam.

Guida – Rezar pelos que sofrem.

Neco – Se você não tem coragem de fazer só, se junte com algum amigo.

Presidente – Vamos nos lembrar de pessoas que trabalharam com pessoas pobres e doentes. Irmã Dulce, Madre Tereza de Calcutá, Frei Galvão.

Guida – Vamos lembrar de Nossa Senhora que nos deu o exemplo ao visitar Isabel nos momentos de tribulação e preocupação.

Neco – Vamos rezar uma Ave-Maria.

Guida – Vamos nos consagrar a Nossa Senhora cantando.

Presidente – Jesus curou cegos, surdos, mudos, aleijados, leprosos etc. Jesus disse: “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância”.

(Para terminar, rezemos todos a oração da Campanha da Fraternidade)


sexta-feira, 9 de março de 2012

Como cuidamos da Casa de Deus? - Evangelho do 3º Domingo da Quaresma - Jo 2,13-25

Olá Pessoal,

         O Evangelho do próximo domingo nos faz uma grande reflexão: como cuidamos da Casa de Deus? Ao realizarmos a leitura do Santo Evangelho percebemos como estava o Templo dos judeus em Jerusalém (um dos mais importantes e maiores templos da religião judaica), estava dominado pelo comércio, bagunça, sujeira, gritaria e pelo dinheiro.
         Nesta leitura Jesus nos mostra que o Templo é sagrado e deve ser digno de respeito, pois, Ele mesmo é o próprio templo.
         Diante dessa situação é pertinente nos perguntarmos e perguntarmos aos catequizandos: como zelamos da casa de Deus?
         É uma ótima oportunidade, justamente agora q começa o ano catequético, de orientarmos os catequizandos sobre o comportamento dentro da Igreja e durante a Santa Missa. Abaixo seguem algumas perguntas a serem realizadas pelos catequistas:

1 - Quando vou à Missa fico conversando, atrapalhando à todos que estão à minha volta que querem prestar atenção na celebração?

2 - Costumo comer doces e/ou mascar chicletes dentro da Igreja? E quando não encontro lixo, grudo o chiclete debaixo do banco ou nas paredes da Igreja?

3- Eu costumo gritar na Igreja para chamar algum colega ou conhecido?

4- Levo sempre um lanchinho na bolsa pra comer durante as celebrações?

5- Uso chapéu ou boné na Igreja?

6- Costumo ir para a Igreja com roupas curtas, decotadas, sujas ou de chinelos, ou seja, trajes inadequados?

7- Fico andando pela Igreja, pra passar o tempo ou para que as pessoas vejam o quanto estou legal?

8- Jogo papel, resto de balinha, copo, lixos em geral no chão da Igreja e no seus arredores?

9- Atendo o meu celular no meio das celebrações ou deixo ele tocar no volume mais alto pros meus colegas saberem o novo toque do meu celular?

                    hehehehe! São algumas perguntinhas básicas que podem ser complementadas.

      Agora, sugiro um rápido jogo da memória com algumas regrinhas de comportamento e zelo pela nossa Igreja.



Esta postagem traz uma outra forma de fazermos as crianças visualizarem regras através de plaquinhas, semelhantes às placas de trânsito. Vale a pena conferir!

Um forte abraço,
Layse

quarta-feira, 7 de março de 2012

Ganhadora do Prêmio 1 ano de Catequese Kids!

Boa Tarde Povo Amado!!!


       Era para eu ter divulgado ontem a ganhadora do presente de 1 ano do blog Catequese Kids... Mas faltou luz a tarde inteira no meio trabalho e hoje pela manhã na minha casa, então fiquei isolada do mundo eletrônico!!! hehehe

Minha foto      Quem acertou as charadas foi a Sandra Avelino do blog Catequese Caminhando, ela respondeu corretamente  ( e rapidamente!!!!!) a essas perguntas:

1- O que é, o que é, que parte e reparte e fica sempre do mesmo tamanho ?
   R.: Faca ou Baralho... Na verdade era FACA mesmo...
 
2- O que é, o que é, que fica cheio de boca para baixo e vazio de boca para cima ?
 R.: Chapéu.

3- Para onde a Pulga vai depois que ela morre?
                                          R.: Para o Pulgatório
 
4- Quantos meses do ano tem 28 dias?
R.: 12, afinal todos os meses do ano tem o dia 28.
5- Todas as mães têm. Sem ele não tem pão. Some no inverno. Aparece no verão?
R.: O til (acento)
 
 
Parabéns Sandra!!!!!!!! Q Deus te abençoe! Envie-me um e-mail com o seu endereço residencial para: lay.mbispo@gmail.com ou me mande uma mensagem pelo Facebook para que eu envie seu presentinho...
 
A todos que deixaram seus recadinhos amorosos eu agradeço de coração! E peço que o Divino Espírito Santo esteja sempre com vcs!!!!
 
Um beijinho,
Layse
 
 
 
 

segunda-feira, 5 de março de 2012

Vamos apagar as velinhas e ganhar um presente? Aniversário de 1 ano do Catequese Kids



Parabéns pra você, nessa data querida, muitas felicidades, muitos anos de vida!!!!

O blog Catequese Kids completa o seu primeiro ano de vida, louvando a Deus por tantas coisas maravilhosas e por poder ajudar e estar à serviço de tantas pessoas!

Pessoalmente, eu, Layse, quero agradecer a todos que participaram comigo deste blog neste ano. Quero agradecer a Deus a oportunidade de ter conhecido pessoas maravilhosas por este meio, catequistas valorosos, dedicados e criativos, que permitem que o Espírito Santo os moldem conforme a vontade de Deus. Principalmente no Grupo de Catequistas Unidos, grupo que trouxe à catequese do nosso Brasil, um novo rumo, uma nova riqueza...

Quero agradecer todos os comentário me fizeram crescer pessoalmente e como catequista. Quero agradecer aos recadinhos carinhosos e às 111.557 visitas (até agora) de várias partes do nosso Brasil e do mundo.

Minha vida sem o Catequese Kids não teria sido a mesma!

Só tenho a agradecer!!! Obrigada, obrigada e obrigada!!!


 


Agora vou fazer um pedido! Ehh...tava demorando pedir alguma coisa... hehehe

Rezem um Pai- Nosso e uma Ave-Maria na intenção deste blog, para que Deus continue agindo sobre ele para que seja instrumento de evangelização...




Agora vamos para a parte boaa??? Você quer ganhar um presente de aniversário do blog Catequese Kids???

Jogo das Charadas

O primeiro que acertar essas 5 charadas, vai ganhar um presentinho do blog.
 
1- O que é, o que é, que parte e reparte e fica sempre do mesmo tamanho ?
2- O que é, o que é, que fica cheio de boca para baixo e vazio de boca para cima ?
3- Para onde a Pulga vai depois que ela morre?
4- Quantos meses do ano tem 28 dias?
5- Todas as mães têm. Sem ele não tem pão. Some no inverno. Aparece no verão?

Boa Sorte a todoss! E levem sua fatia de bolo!!!!! Não sei se gostam de chocolate... eu AMOOO... hehehe