quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Profetas - Planejamento do Encontro


Acolhida: Realizar uma oração a partir da leitura do Salmo 39, 1-12. Este salmo fala justamente sobre o comportamento de um profeta, que não se cala diante das injustiças e está preparado para proclamar à todos a fidelidade e salvação que vem de Deus (Sl 39,11).
Motivação (ver):
- Fazer a leitura dessas duas histórias:
1 – Jornal eletrônico: Rede Brasil Atual, 20/07/2011.
Padre que denunciou grupos de extermínio em Goiás relata intimidações
Ameaças de morte e comboio policial em frente ao local de trabalho compõem ações contra padre Geraldo
Publicado em 20/07/2011, 19:23
Última atualização às 19:23
Ribeirão Cascalheira (MT) – O padre jesuíta Geraldo Marcos Nascimento, de 70 anos, vem sofrendo tentativas de intimidação desde o começo do ano, quando começaram a vir à tona denúncias sobre o desaparecimento de jovens de Goiânia.
Ele desenvolve trabalhos para a população carente na Casa da Juventude e, desde 2006, ajuda a levantar denúncias no âmbito do Comitê Goiano pelo Fim da Violência Policial. “A gente trabalha com jovens de periferia, que sempre despertam, em um bairro de classe média, suspeita, curiosidade da polícia, irritação”, afirma.
Ele começou a notar pequenos episódios que conduzem a um cenário pouco animador para seus mais de quarenta anos de militância em defesa dos mais pobres e do respeito aos direitos humanos. Tudo teve início com a publicação de uma matéria no jornal O Popular, da capital de Goiás, sobre pessoas desaparecidas após abordagens policiais. A suspeita é de que grupos de extermínio estejam por trás das 117 mortes registradas durante operações entre 2003 e 2005 – 29 pessoas ainda estão desaparecidas.
Um mês depois, a Polícia Federal desencadeou a Operação Sexto Mandamento, que levou para a prisão 19 agentes acusados de assassinato ou desaparecimento de vítimas. As investigações, iniciadas em 2010, demonstraram que há possibilidade de que juízes, parlamentares e integrantes do alto escalão do governo estadual estejam por trás dos grupos.
"Fico pensando que seria difícil eles (os policiais) permanecerem presos porque a formação de um grupo de extermínio é algo que dá dinheiro", lamenta o padre. "Eles não matam só por prazer", constata. O padre demonstra resignação: "Quando se vai chegar a que denunciem quem está mandando? Acho impossível. Porque cairiam em uma fria, eles mesmos se eliminariam."
Ameaças
Foi nesse ínterim que começaram a ocorrer fatos estranhos. Primeiro, procuraram o arcebispo local para dizer que o padre receberia o troco, e que se executaria o crime de maneira a parecer se tratar de um assassinato comum ou de um roubo seguido de morte. Além disso, informaram que implantariam algum fato falso em torno da vida de Geraldo, possivelmente ligado a pedofilia ou ao consumo de drogas.
Em março, oito viaturas das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), circularam com as sirenes ligadas em frente à sede da Fundação Jaime Câmara, onde fica o diário que denunciou a atuação ilegal. O comandante da divisão policial, o tenente-coronel Carlos Henrique da Silva, foi afastado no mesmo dia mas, na manhã seguinte, dezenas de carros policiais repetiram a ação, daquela vez em frente à Casa da Juventude.
Algum tempo depois houve um comboio de motos. O motorista da última delas desceu, foi à portaria e falou que o filho do comandante da polícia estava interessado em fazer um curso ali. Houve ainda tentativas de arrombar o portão da casa e a entrada de um senhor que afirmou ter perdido dentro do banheiro sua chave – o padre acredita ter se tratado de uma tentativa de “plantar” alguma prova contra ele para que fosse realizada uma batida policial incriminatória.
Sem novidades
As tentativas de intimidação não são exatamente uma novidade para Geraldo. Em Manaus, na reta final do regime militar, trabalho semelhante despertou a ira de políticos locais, que passaram a ameaçá-lo. “Eles pegaram 16 policiais e dispararam uma metralhadora por cima da minha cara. E falaram que a próxima seria no peito.”
Há 21 anos em Goiânia, ele não demonstra qualquer remorso por se envolver com a defesa de direitos humanos. Ele entrou para as fileiras jesuítas em 1966, em Belo Horizonte. Lá, desenvolvia um trabalho de assistência a moradores de favelas. “Achei que estava ajudando, mas eles é que começaram a me ajudar. Porque fui percebendo que tinha conteúdo externo, mas não tinha nada interno.” Não tardou para que se desse conta de que este tipo de doação, ainda que ele colocasse o salário inteiro à disposição da causa, não seria suficiente. “Então, resolvi doar a vida.”
No fim de junho, com tantas tentativas de intimidação contra ele e cinco freiras que também atuam em Goiânia, o Ministério Público Estadual emitiu nota condenando as atitudes. Haroldo Caetano da Silva, promotor responsável pelo Centro de Apoio Operacional aos Direitos Humanos, manifestou que é muito grave que envolvidos na denúncia e na apuração de crimes cometidos por grupos de extermínio sejam ameaçados mesmo após a montagem da Comissão Especial de Defesa da Cidadania, da qual Geraldo faz parte.
No comunicado, o órgão repudiou “veementemente as ameaças e manifestar irrestrito apoio às vítimas, pessoas abnegadas que desempenham papel fundamental na consolidação de um Estado de Direito pautado no respeito aos Direitos Humanos.”

2 – Canção Nova Notícias, 14 de maio de 2007.

Biografia de Irmã Dorothy

Da Redação


Sobre a Irmã Dorothy

Dorothy Mae Stang, conhecida como Irmã Dorothy foi uma freira norte-americana naturalizada brasileira.

Pertencia às Irmãs de Nossa Senhora de Namur, congregação religiosa fundada em 1804 por Santa Julie Billiart (1751-1816) e Françoise Blin de Bourdon (1756-1838). Esta congregação católica internacional reúne mais de duas mil mulheres que realizam trabalho pastoral nos cinco continentes.

Ingressou na vida religiosa 1948, emitiu seus votos perpétuos – pobreza, castidade e obediência – em 1956.
De 1951 a 1966 foi professora em escolas da congregação: St. Victor School (Calumet City, Illinois), St. Alexander School (Villa Park, Illinois) e Most Holy Trinity School (Phoenix, Arizona).
Em 1966 iniciou seu ministério no Brasil, na cidade de Coroatá, no Estado do Maranhão. Irmã Dorothy estava presente na Amazônia desde a década de setenta junto aos trabalhadores rurais da Região do Xingu. Sua atividade pastoral e missionária buscava a geração de emprego e renda com projetos de reflorestamento em áreas degradadas, junto aos trabalhadores rurais da Transamazônia. Seu trabalho focava-se também na minimização dos conflitos fundiários na região. Atuou ativamente nos movimentos sociais no Pará.

A sua participação em projetos de desenvolvimento sustentável ultrapassou as fronteiras da pequena Vila de Sucupira, no município de Anapu, no Estado do Pará, a 500 quilômetros de Belém do Pará, ganhando reconhecimento nacional e internacional.

A religiosa participava da Comissão Pastoral da Terra (CPT) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) desde a sua fundação e acompanhou com determinação e solidariedade a vida e a luta dos trabalhadores do campo, sobretudo na região da Transamazônica, no Pará. Defensora de uma reforma agrária justa e conseqüente, Irmã Dorothy mantinha intensa agenda de diálogo com lideranças camponesas, políticas e religiosas, na busca de soluções duradouras para os conflitos relacionados à posse e à exploração da terra na Região Amazônica.

Dentre suas inúmeras iniciativas em favor dos mais empobrecidos, Irmã Dorothy ajudou a fundar a primeira escola de formação de professores na rodovia Transamazônica, que corta ao meio a pequena Anapu. Era a Escola Brasil Grande.

Irmã Dorothy recebeu diversas ameaças de morte, sem deixar intimidar-se. Pouco antes de ser assassinada declarou: "Não vou fugir e nem abandonar a luta desses agricultores que estão desprotegidos no meio da floresta. Eles têm o sagrado direito a uma vida melhor numa terra onde possam viver e produzir com dignidade sem devastar".

Ainda em 2004 recebeu premiação da Ordem dos Advogados do Brasil (seção Pará) pela sua luta em defesa dos direitos humanos.

Falecimento

A Irmã Dorothy Stang foi assassinada, com sete tiros, aos 73 anos de idade, no dia 12 de fevereiro de 2005, às sete horas e trinta minutos da manhã, em uma estrada de terra de difícil acesso, a 53 quilômetros da sede do município de Anapu, no Estado do Pará, Brasil.

Segundo uma testemunha, antes de receber os disparos que lhe ceifaram a vida, ao ser indagada se estava armada, Ir. Dorothy afirmou "eis a minha arma!" e mostrou a Bíblia Sagrada. Leu ainda alguns trechos das Sagradas Escrituras para aquele que logo em seguida lhe balearia.

No cenário dos conflitos agrários no Brasil, seu nome associa-se aos de tantos outros homens, mulheres e crianças que morreram e ainda morrem sem ter seus direitos respeitados.

O corpo da missionária está enterrado em Anapu, Pará, Brasil, onde recebeu e recebe as homenagens de tantos que nela reconhecem as virtudes heróicas da matrona cristã.

- Durante estes nossos Encontros de Catequese tivemos a oportunidade de conhecer a vida de homens que não tinham medo de deixar tudo para fazer o que Deus lhes pedia. Vocês se lembram de Abraão, Moisés, Gideão  e Davi?
- Eles procuravam viver o que tinham prometido a Deus naquele pacto, naquele sempre fiéis à Aliança que fizeram com Deus.
- Hoje vamos conhecer os PROFETAS, que também eram pessoas fiéis à Aliança e aos Mandamento de Deus.

Colocação do Tema (julgar):
 Quem eram os PROFETAS?
·         Profetas não eram pessoas que ficavam só procurando adivinhar o futuro.
·         Profetas eram aqueles que falavam em nome de Deus, dizendo o que errado e como o povo devia viver para cumprir a Aliança que tinham feito à Deus.
·         Profetas eram pessoas que viviam de acordo com os Mandamentos. Eram chamados por Deus para cumprir a missão de defensores da justiça e da fraternidade.
O profeta tem coragem de:
·         Denunciar mesmo com ameaças e injustiças.
·         Chamar o povo infiel à conversão.
·         Estimular o povo de Deus e seus dirigentes para a fidelidade ao compromisso com o Deus de seus pais, o Deus da Aliança, o Deus da Libertação.
·         Conscientizar o povo.
·         Contestar a “ordem” contrária ao Plano de Deus, por isso, eles eram considerados elementos perigosos.
·         Recordar os acontecimentos da história do povo para criticar e mudar a situação injusta do presente.
·         Exigir em nome de Deus, mudanças na conduta pessoal, nas instituições religiosas e políticas do povo.
·         Criticar a opressão dos pobres.
·         Defender os sem-vez e os sem-voz.
·         Lutar contra o luxo resultante da exploração dos fracos.
·         Mostrar que não se pode encontrar Deus escravizando e explorando o irmão; que não adianta o culto sem justiça e nem amor ao próximo.
·         Acusar e combater privilégios;
·         Construir fraternidade.
- Mostrar aos catequizandos os Livros Proféticos na Bíblia.
- Falar sobre os Profetas Menores e Maiores. Lembrem-se que se denomina “menores”, os que deixaram poucos escritos e “maiores” os que deixaram mais escritos.
Maiores: Isaías, Jeremias, Daniel e Ezequiel.
Menores: Baruc, Oséias,Joel, Amós, Zacarias, Malaquias, Abdias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuc, Sofonias, Ageu.
Atividades:
- Dividir a turma em 6 grupos, cada um terá que contar a história de um profeta: Jeremias, Elias, Isaías, Oséias, Amós e Ester (A HISTORIA DELES ESTÃO EM ARQUIVO ANEXO).
- Atividade da folhinha (pode ficar para casa)
- Dominó dos Profetas
Agir transformador (ação):
- Procurar ter todos dias, uma atitude de profeta, porque todo cristão deve ser profeta.
- Dizer para os outros o que está certo e o que está errado, de acordo com o que estamos refletindo nos encontros de catequese.
- Não ter medo de zombarias, de caçoadas porque estamos frequentando a catequese e procuramos defender os pobres, os marginalizados, conforme o desejo de Deus.
Oração Final


4 comentários:

  1. SEU BLOG TÁ CHEIO DE BONS CONTEÚDOS EM LAYSE. SEI QUE VOCÊ ESTÁ TENDO UMA TRABALHEIRA DANADA PARA BUSCAR ESTAS MARAVILHAS DE POSTAGENS, MAS ESTÁ SENDO MUITO VÁLIDO PARA NÓS CATEQUISTAS.

    1 PERGUNTINHA: DIA 12 VOCÊ VAI NO PADRE REGINALDO MANZZOTTI AÍ EM BRASILIA? SE FOR TIRA FOTO OK?
    KKKK
    ABRAÇO E PARABÉNS PELAS POSTAGENS.

    ResponderExcluir
  2. Gente, o que é isso hein? Que encontro maravilhoso! Estou babando...essa vai pra minha cachola...quando voltar para os encontros, certamente usarei!
    Bjs e ótimo fim de semana!
    Ah! Já viu a promoção lá do blog?

    ResponderExcluir
  3. vai lá no top five...tem um biscoitinho pra você!

    ResponderExcluir
  4. es una excelente alineación y una muy buena explicación del tema
    mil felicidades

    ResponderExcluir

O material aqui postado é elaborado por mim com material retirado da Internet ou enviado por e-mail . Caso você seja proprietário de alguma imagem, texto ou material e quer retirá-lo ou divulgar seu nome, por favor, entre em contato por e-mail . Terei o maior prazer em divulgar o seu material ou trabalho! e-mail: lay.mbispo@gmail.com Que o amor de Jesus Cristo esteja sempre com vocês!